Cinco perguntas para Adalberto Monteiro

Dr. Adalberto Monteiro, Presidente do PRP e apoiador de Jair Bolsonaro fez uma reflexão do prejuízo que a Fundação Nacional de Amparo aos Presos do DF- FUNAP teve durante o governo passado. Conhecedor do sistema presidiário do DF na ressocialização dos presos, em entrevista ao Blog da Cris, Adalberto cita a falta dos serviços prestados pela FUNAP. Possivelmente Adalberto Monteiro será o presidente da Funap novamente.

0
259

1) Blog da Cris: Que tipo de serviços da FUNAP foram suspensos nos presídios  pelo governo passado?R: Foram suspensas as oficinas de produção de costura industrial, serralheria, padaria, marcenaria, mecânica e cursos de formação profissional e outros. A produção de Pães, que atendia creches e os presídios  em todo o DF, deixaram de existir.
2) Blog da Cris: Qual o papel da FUNAP em relação ao desenvolvimento econômico do DF?
R: A FUNAP sempre foi um centro de desenvolvimento econômico. Produzia material de baixo custo para o Governo do Distrito Federal, fomentou por muitos anos a agricultura com plantios de Grãos, mudas para plantio, além do estímulo que suas atividades prestavam na criação de bovinos e suínos, o que garantiu o crescimento da área rural do DF.
3) Blog da Cris:  Qual a preocupação que o DF precisa ter em relação a continuidade da  ressocialização dos presos?
R: Primeiro, fazendo o trabalho de acordo com a  LEP, a legislação, isso com critérios definidos, visando realmente a recuperação do apenado, para que sirva, inclusive,  de exemplo para os demais  Estados Brasileiros.
4) Blog da Cris:  Nos Órgãos públicos, a FUNAP tem prestado serviços por meio dos penados.  Compensa o Governo trabalhar com os penados?
R: Sim, compensa. A reincidência de um penado que prestou serviços é bem menor em relação ao que não prestou e isso comprova que a ressocialização é importante. 
5) Blog da Cris: O Governador Ibaneis te convidou para compor o Governo à frente da Funap?
R:Aguardo o convite, com o intuito de ajudar a recuperar o Distrito Federal e o Brasil.

Cris Oliveira