Estudantes das escolas públicas brasileiras podem ser educados a combater a violência contra a mulher. É o que quer o Projeto de Lei 598/19, do Senado Federal, que inclui conteúdo sobre a prevenção ao ato nos currículos da educação básica.

Leia também: Câmara aprova projeto que prevê indenização a vítimas de violência doméstica

A lei atual prevê a inclusão de conteúdos relativos aos direitos humanos e à prevenção de todas as formas de violência contra crianças e adolescentes de forma transversal nos currículos escolares, mas não cita as mulheres.

Para o autor da proposta, senador Plínio Valério (PSDB-AM), a lei precisa ser alterada, pois é “urgente uma inflexão no padrão cultural brasileiro, que, se não é permissivo, não tem sido impeditivo à manifestação das formas arraigadas de violência, especialmente contra asmulheres ”.

Leia também: Número de mulheres mortas por armas de fogo sobe 25%; entre negras, cresce 60%

Já aprovado no Senado, o projeto precisa passar pela avaliação das comissões de Defesa dos Direitos da Mulher; de Educação e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados e, depois, ser encaminhado para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Leia Também:  “Espelho, espelho meu”: Só Freud explica narcisismo de Bolsonaro, Lula e Dilma

Em abril, a Câmara aprovou projeto que prevê indenização a vítimas de violência doméstica. O mesmo, porém, ainda não foi apreciado no Senado.

Fonte: IG Nacional

Todo o conteúdo exposto por comentários nas matérias deste site é de responsabilidade de seus respectivos autores. Por favor leia nossa Política de comentários antes de comentar.