O jornal O Estado de São Paulo questionou a capacidade das deputadas eleitas para o Congresso que defendem pautas conservadoras representarem as mulheres no Legislativo.

No blog assinado por Hannah Maruci Aflalo, doutora em ciências políticas USP, o texto faz uma análise que parece refletir bem o viés ideológico da grande mídia.

Ao abordar o crescimento das vagas legislativas na mão de mulheres “de direita”, o jornal diz: “Esse aumento quantitativo precisa ser qualificado, uma vez que os dados apontam para um crescimento também na quantidade de mulheres filiadas a partidos extremamente conservadores, como o PSL”. Em outro momento, argumenta que “este avanço que pode significar retrocesso”.

Na nova composição da Câmara para a legislação 2019-202, ficou evidenciado um aumento de 51% na quantidade de mulheres: das 513 cadeiras, 77 serão ocupadas por deputadas. Na eleição de 2014 foram eleitas 51. A maioria das novas deputas tem discurso claramente conservador.

Porém, a matéria do Estadão não aceita que seja falado sobre pautas femininas no Congresso que nãos sejam associadas ao conhecido discurso da esquerda.

Fonte: Gospel Prime

Todo o conteúdo exposto por comentários nas matérias deste site é de responsabilidade de seus respectivos autores. Por favor leia nossa Política de comentários antes de comentar.