Barcelona vence partida com recorde mundial de público para o futebol feminino

60.739 espectadores lotam as arquibancadas do Wanda Metropolitano. Barça dá sobrevida a um campeonato que poderia se encaminhar para o final antes da hora

0
186

Como em qualquer outro dia de jogo, o bairro de San Blas se encheu de camisetas alvirrubras. O hino soava minutos antes do começo da partida em um lotado Wanda Metropolitano. Mas o desse domingo não foi um Atlético x Barcelona qualquer. Com a camisa 7 às costas das alvirrubras não subiu ao gramado Antoine Griezmann e sim Ángela Sosa. E com a 11 azul-grená não era Ousmane Dembélé e, sim Alexia.

futebol feminino voltava à casa do Atlético de Madrid. E o fez em grande estilo, batendo o recorde histórico de público em uma partida de futebol feminino entre clubes não somente na Espanha, mas em todo o mundo: 60.739 espectadores. Ou seja, as arquibancadas praticamente lotadas, já que o estádio tem oficialmente 67.829 lugares.

Dessa forma, no domingo foi superado um número que permaneceu imbatível ao longo de 99 anos, quando no Boxing Day de 1920 53.000 pessoas compareceram ao Goodison Park para assistir ao duelo entre o Dick, Kerr’s Ladies e o Helen’s Ladies. A nível de seleções, o recorde é de 90.185 espectadores que presenciaram o jogo entre os Estados Unidos e a China na Copa do Mundo de 1999, no Rose Bowl de Pasadena.

Os milhares de torcedores que presenciaram a partida são mais uma demonstração de que o futebol feminino é um fenômeno em pleno crescimento. Se no final de semana passado foi a vez do basquete, que bateu o recorde histórico de público em um jogo feminino na Espanha, com 13.472 espectadores no Wizink Center de Madri, no domingo foi a vez do esporte mais popular. Os torcedores que encheram as arquibancadas do Wanda Metropolitano superaram os 48.121 que há pouco mais de um mês foram a San Mamés, no jogo da Copa da Espanha entre Athletic de Bilbao e Atlético de Madrid, que terminou com a vitória das colchoneras (como é conhecido o Atlético de Madrid) por 2×0.

Durante toda a semana, os dois clubes se encarregaram de alimentar o entusiasmo pelo jogo, e o público respondeu ao chamado. Na quarta-feira o Atlético anunciou que os ingressos estavam esgotados. Apesar disso, vários torcedores foram às bilheterias na manhã de domingo para tentar conseguir entradas, sem sucesso.

Antes do começo da partida, um lugar chamou a atenção dos torcedores colchoneros. Entre as diversas medidas tomadas pelo Atlético para continuar apoiando o crescimento do futebol feminino está a presença, pela primeira vez, de várias jogadoras no Corredor das Lendas, um espaço em que são homenageados os jogadores que disputaram 100 partidas oficiais com a equipe. Uma honra que coube a três integrantes do elenco que superaram o número: Amanda Sampedro (102 jogos), Silvia Meseguer (101) e Ángela Sosa.

“Vai Atlético Feminino”, dizia o cartaz que recebeu as jogadoras quando vieram ao gramado. O ambiente era o de um dia importante, e não era para menos. O jogo serviria, além de bater o recorde de público, para esclarecer se a Liga Iberdrola (como é chamado o Campeonato Espanhol Feminino) continuaria em disputa. Uma vitória das alvirrubras praticamente garantiria a conquista do campeonato faltando seis rodadas para o final. Não foi o que aconteceu.

Fonte: El País