A tentação de cair nas compras por impulso, com as promoções de início de ano, segue firme, o que exige controle emocional e financeiro redobrado das pessoas, alerta o advogado Emanuel Pessoa, sócio do Emanuel Pessoa Advogados. “Nesse período, é muito fácil as pessoas se empolgarem e se esquecem de que as contas para quem comete excessos vão chegar”, avalia.

“É sempre importante o consumidor pensar em como não desequilibrar o orçamento. Nas compras por impulso, em que se gasta pensando unicamente que a parcela cabe, as pessoas se esquecem que outras compras podem ser necessárias mais adiante. Isso decorre da vontade das pessoas de obter satisfação imediata, mesmo que gastem mais [pagando com juros] para ter algo que desejam”, completa o advogado.

Outra consequência negativa das compras por impulso é o consumo excessivo que gera muito lixo (embalagens e produtos antigos) e impactos no meio ambiente, alerta o professor doutor Edson Grandisoli, coordenador pedagógico do Movimento Circular, organização multissetorial que defende a adoção de princípios de Economia Circular – uso eficiente de recursos e combate ao desperdício.

As pessoas poderiam comprar menos produtos e utilizar os existentes por mais tempo, segundo Grandisoli. Isso reduziria a extração de recursos da natureza e a quantidade de resíduos descartados. “Ao comprar algum produto, é importante levar em consideração se as empresas fabricantes assumem compromissos ambientais, investem ou doam parte dos lucros desse período para ações que incentivam a circularidade e a sustentabilidade”, sugere.

Pesquise e planeje:

Já para evitar as compras por impulso, Emanuel Pessoa dá mais algumas dicas:

Avalie sua necessidade

O produto que você precisa não é necessariamente o mesmo que está em oferta. Se você está interessado em algo, reflita se ele atende a uma necessidade ou é uma oportunidade de ocasião. A dica de Pessoa é deixar para decidir depois. “Sempre escolho algo e deixo para pensar depois se realmente preciso ou quero. Na maioria das vezes, isso me ajuda a evitar compras impulsivas.”

Pesquise sempre

Essa é a dica mais importante. É comum as lojas criarem páginas e anúncios chamativos com “as melhores ofertas”, “pagamento facilitado”, “frete grátis” ou “últimas unidades”. Não se deixe influenciar por essas mensagens publicitárias e concentre-se na pesquisa de características do produto, reputação da loja e preço. Quanto antes você começar a pesquisa, maior as chances de encontrar uma oferta real. Monitorar os valores ao longo dos meses permite saber se o preço foi reajustado para cima, por exemplo. Há vários sites de busca que comparam preços e podem ser grandes aliados.

Pessoa recomenda um olhar minucioso sobre as condições de pagamento. “Verifique as famosas letras miúdas do contrato de compra e venda, em particular os juros de financiamento. Conheça também as cláusulas de garantia e de troca, que costumam ter disposições especiais nesse período.”

Desconfie de preços muito baixos

Se o produto está com um preço muito atrativo, mas o site é desconhecido, o cuidado tem que ser redobrado. Antes de clicar no botão de compra, respire e cheque a página desse vendedor para se certificar que as especificações do produto estão claramente descritas. Procure reparar em tudo, como a url do site, fotos do produto e condições de pagamento. Também pesquise referências, como CNPJ, endereço e comentários nas redes sociais ou sites de defesa do consumidor.

Faça contas

A facilidade nas condições de pagamento, especialmente no parcelado, pode confundir o consumidor. Ao se endividar no fim do ano, o consumidor precisa considerar que o mês de janeiro traz despesas adicionais, como IPTU, IPVA e outros gastos.

Guarde a oferta

Seja no formato online ou offline, documente todas as etapas de compra. Guarde o anúncio, se ele for de papel, ou tire o print da oferta no computador, a descrição do produto e as condições de pagamento. É importante que toda a compra esteja registrada, para que ela possa ser comprovada caso necessário.

Use meios de pagamento seguros

Na hora de fechar a compra, utilize métodos de pagamento seguros e forneça somente informações necessárias. Não confie em sites que pedem dados excessivos.

Sobre Emanuel Pessoa

Advogado especializado em Governança Corporativa, Direito Societário, Contratos e Disputas Estratégicas. Mestre em Direito pela Harvard Law School, Doutor em Direito Econômico pela USP, Certificado em Negócios por Stanford, Bacharel e Mestre em Direito pela UFC, além de palestrante e comentarista.

Sobre o Movimento Circular

Criado em 2020, o Movimento Circular é um ecossistema colaborativo que se empenha em incentivar a transição da economia linear para a circular. A ideia de que todo recurso pode ser reaproveitado e transformado é o mote da Economia Circular, conceito-base do movimento. O Movimento Circular é uma iniciativa aberta que promove espaços colaborativos com o objetivo de informar as pessoas e instituições de que um futuro sem lixo é possível a partir da educação e cultura, da adoção de novos comportamentos, da inclusão e do desenvolvimento de novos processos, produtos e atitudes. O trabalho conta com a parceria pioneira da Dow, empresa de produtos químicos, plásticos e agropecuários, com sede em Michigan, Estados Unidos. O Movimento Circular contabiliza hoje cerca de 3 milhões de pessoas impactadas por suas ativações e conteúdos.

Site: https://movimentocircular.io/