23 C
Distrito Federal
22/09/2020 - 14:20 PM

As Quentes da política do DF

MP 971/20 em pauta Está em pauta na Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (17), a medida provisória 971/20 que trata do aumento salarial  da força...
More

    O Instituto Lula era uma romaria de empresários, diz Marcelo Odebrecht

    O empresário prestou depoimento à Justiça Federal, no âmbito de ação penal em que o ex-presidente é réu por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e tráfico de influência



    Oempresário Marcelo Odebrecht disse nesta segunda-feira, 7, que “o Instituto Lula era uma romaria de empresários”. Em depoimento à Justiça Federal, no âmbito de ação penal em que o ex-presidente é réu por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e tráfico de influência, Odebrecht declarou que, após a saída de Lula da Presidência, “havia sim um descontentamento enorme da classe empresarial em relação ao rumo que estava tomando o governo Dilma”.

     

    Segundo Odebrecht, era “extremamente difícil” de lidar com Dilma. “Essa a avaliação de todos. Esses empresários, entre os quais, meu pai, não cansavam de ir até Lula para tentar ver se ele influenciava ela (Dilma) de alguma maneira.”

    O empresário foi ouvido em uma Vara Federal de Osasco (Grande São Paulo), por meio de vídeo conferência. O processo, sobre negócios em Angola, na África, tramita na 10.ª Vara Federal de Brasília.

    O juiz Vallisney Oliveira perguntou a Odebrecht. “Os srs utilizavam o ex-presidente Lula para fazer algum pedido ao governo da ex-presidente Dilma? Ele (Lula) trabalhava, entre aspas, pela empresa?, fazia algum favor para a empresa junto ao governo? Aqui (no processo) tem um crime de tráfico de influência. O sr como colaborador o que pode dizer sobre isso?”

    “A maior dificuldade que tinha com a presidente Dilma era, por exemplo, no nosso caso, o projeto do etanol que o presidente Lula incentivou a Odebrecht entrar e, depois, a presidente Dilma fez várias medidas que foram contra”, respondeu o empresário. “Então, tinha sim, nós, empresários, recorríamos a Lula para tentar influenciar Dilma porque entendíamos que os rumos do governo não estava sendo dos mais adequados.”

    Odebrecht reiterou que “o Instituto Lula virou uma romaria de empresários”.

    “Mas eu não diria que nesse processo foi feito nada de ilícito, era uma coisa normal de um presidente que saiu e que colocou a sucessora dele.”

    O juiz insistiu. “E por que o sr. se utilizava do ex-presidente?’

    O empresário começou a responder. “Excelência, a percepção que existia em todo o meio empresarial…”

    O juiz interrompeu e retomou a palavra. “Quero entender porque (o processo) é um tráfico de influência. Tem que ter alguma promessa do réu nesse caso específico.”

    “Nesse caso específico não me lembro de nada, a gente pode ter pedido para ele reforçar lá alguma coisa. Acho que é normal, a gente fazia isso com os presidentes quando viajavam, presidentes e ex-presidentes, nós atualizávamos eles o que estávamos fazendo nesses países, lobby positivo a favor das empresas.”

    Ainda ao ser indagado sobre palestras relativas ao Instituto Lula, Odebrecht explicou. “Soube que houve um combinado do meu pai com Lula, ou Alexandrino (Alencar, executivo do grupo), não sei ao certo, para se fechar algumas palestras. Assim como soube que várias outras empresas no Brasil e no exterior contrataram o presidente Lula para fazer palestras. Qual foi a motivação que meu pai contratou essas palestras, acho mais correto escutar diretamente dele.”

    Odebrecht seguiu. “Havia duas razões: havia intenção de ajudar o Instituto Lula, como ajudamos o Instituto FHC. O presidente Lula era pessoa que tinha imagem bastante positiva em vários países em que a gente atuava. Ao contratar ele para umas palestras não deixara de ser um trabalho de relações públicas.”

    O empresário ressaltou que avisou o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma) que R$ 15 milhões foram reservados a Lula e que esse valor sairia da “Planilha Italiano” – fluxo de dinheiro da empreiteira para o PT e para o Instituto. Ele disse que o dinheiro das palestras seria descontado da planilha, sem avisar Lula.

    “No nosso entendimento, Instituto Lula fazia parte do projeto político do PT.”

    Comentários

    - PUBLICIDADE -

    Notícias Relacionadas

    Fla e São Paulo encaram adversários equatorianos pela Libertadores

    Dentro e fora de campo, o Flamengo vem acumulando desfalques para enfrentar entra em campo hoje (23), pela quarta rodada da Fase de Grupos da Copa Libertadores. O...

    Governo cria Cadastro Ambiental Urbano

    O Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou o Cadastro Ambiental Urbano (CAU), um aplicativo com informações sobre as áreas verdes nas cidades. O objetivo do...

    Bolsonaro exonera Novaes do cargo de presidente do BB

    O presidente da República, Jair Bolsonaro, exonerou, a pedido, o presidente do Banco do Brasil, Rubem de Freitas Novaes, e nomeou em seu lugar...
    - PUBLICIDADE -

    Últimas Notícias

    PRF realiza primeiro leilão online em Brasília

    Serão leiloados 721 veículos dos pátios da PRF e da empresa conveniada entre os dias 30 de setembro e 02 de outubro; os interessados...

    Fla e São Paulo encaram adversários equatorianos pela Libertadores

    Dentro e fora de campo, o Flamengo vem acumulando desfalques para enfrentar entra em campo hoje (23), pela quarta rodada da Fase de Grupos da Copa Libertadores. O...

    PF investiga desvios na compra de combustível no interior paulista

     A Polícia Federal (PF) fez hoje (22) duas operações por suspeita de desvio de recursos em duas prefeituras do interior paulista: Areias e São...

    Em Santa Maria (DF), PRF prende condutor de veículo furtado

    Ele dirigia com as placas originais com ocorrência de furto A Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou, na noite desta sexta (18/09), em Santa Maria (DF),...

    Governo cria Cadastro Ambiental Urbano

    O Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou o Cadastro Ambiental Urbano (CAU), um aplicativo com informações sobre as áreas verdes nas cidades. O objetivo do...