20.7 C
Distrito Federal
05/08/2020 - 21:23 PM

As Quentes da Política do DF

Ex-secretário de transporte condenado Quem se lembra da fraude da licitação de transporte públicos no governo Agnelo? Pois é, o ex-secretário José Valter e o...
More

    Economia chinesa se prepara para o impacto do coronavírus

    No total, mais de 70 milhões de pessoas na China estão atualmente confinadas


    As dificuldades da China em conter o coronavírus de Wuhan podem aumentar o impacto da epidemia na segunda economia mundial, onde muitas fábricas ainda estão fechadas e milhões de consumidores estão trancados em casa.

    A epidemia, que deixou quase 500 mortos e infectou 24 mil pessoas, levou as autoridades a impor restrições a viagens e fechar atrações turísticas, centros de lazer, empresas e escolas.

    A província de Hubei, localização de Wubei, está isolada desde o final de janeiro e outras cidades também estão em quarentena. No total, mais de 70 milhões de pessoas na China estão atualmente confinadas.

    Os economistas alertam para o possível freio econômico no primeiro trimestre do ano – e mesmo durante todo o ano – pelo efeito do coronavírus nas férias do Ano Novo Chinês, um dos momentos de maior consumo.

    “O momento inoportuno em que o surto chegou, coincidindo com o Ano Novo Chinês, um período de maior transporte (…) bem como o confinamento das regiões afetadas, tudo isso afeta”, diz Louis Kuijs, da Oxford Economics.

    A crise também ocorre quando o governo de Pequim tenta incentivar o crescimento, sobrecarregado pela queda na demanda externa e pela guerra comercial com os Estados Unidos.

    Segundo os analistas da Moody’s, o vírus representa “uma séria ameaça crescente para as frágeis economias chinesa e global”. Muitas fábricas que fecharam durante o feriado de Ano Novo decidiram prolongar a suspensão das atividades.

    Dado que Wuhan é uma das principais áreas chinesas de produção de automóveis, o efeito na economia pode ser importante.

    Um porta-voz da Ford disse à AFP que a produção será retomada na próxima semana, mas que a epidemia já “suprimiu ou atrasou bastante as compras dos clientes”.

    Dongfeng, uma das maiores empresas chinesas de automóveis, com sede em Wuhan, disse que a reabertura de suas fábricas “dependerá da prevenção e controle da epidemia”.

    A agência de classificação financeira S&P espera que o adiamento da reabertura das fábricas afete a produção de automóveis em 2% e alertou que o impacto real pode ser maior se os trabalhadores decidirem deixar Hubei.

    A Oxford Economics acredita que o vírus pode reduzir o crescimento chinês em pelo menos dois pontos percentuais no primeiro trimestre, embora melhore no segundo.

    Em 2019, a China cresceu em seu ritmo mais lento em três décadas e as previsões para este ano de 5,4% poderão ser reduzidas novamente pelo coronavírus.

    O principal problema continua sendo a queda no consumo interno causado pela epidemia, principalmente nos transportes, turismo e entretenimento.

    No ano passado, o feriado de Ano Novo movimentou cerca de 150 bilhões de dólares em vendas, segundo a agência oficial Xinhua.

    Por outro lado, as viagens durante esse período no ano passado movimentou 73 bilhões de dólares e a Cidade Proibida em Pequim recebeu meio milhão de visitantes.

    Grandes redes como Nike e H&M fecharam suas lojas na China, enquanto Apple e Starbucks também suspenderam suas atividades em alguns locais.

    O tráfego de passageiros no transporte aéreo, ferroviário, rodoviário e marítimo caiu mais de 70% em comparação com o ano passado.

    Segundo analistas da Allianz e Euler Hermes, o impacto do coronavírus de Wuhan pode ser maior que o da epidemia de SARS em 2003, devido à importância da China na economia mundial.

    Para apoiar a economia, o banco central chinês injetou mais de US$ 200 bilhões, embora os analistas da Moody’s digam que o efeito é “pouco claro”.

    Por outro lado, a economista Iris Pang, da ING, ressalta que, após as medidas do banco central, o próximo passo será o estímulo fiscal do governo de Pequim.

    Especialistas também apontam para um efeito dominó na economia global, porque a China, segundo a DBRS Morningstar, responde por 17% do Produto Interno Bruto (PIB) do mundo.

    Fonte: O Povo

    Comentários

    - PUBLICIDADE -

    Notícias Relacionadas

    Itamaraty acompanha situação de brasileiros em Beirute após explosão

    O Ministério das Relações Exteriores (MRE) emitiu nota oficial nesta terça-feira (4) em que manifesta solidariedade ao povo e ao governo do Líbano após...

    Registros de gripe sazonal atingem baixas recordes

     As regras de distanciamento social global contra o novo coronavírus fizeram os índices de infecção de gripe atingirem baixas recordes, mostram dados iniciais, sinalizando...

    Paraguai suaviza quarentena em região fronteiriça com o Brasil

    O governo paraguaio flexibilizou nessa quinta-feira (30) a quarentena rígida que havia imposto em Alto Paraná, um departamento que faz divisa com o Brasil e...
    - PUBLICIDADE -

    Últimas Notícias

    Senado aprova uso do salário-educação para pagamento de pessoal

    O Senado aprovou, hoje (5), o Projeto de Lei (PL) 2.906 de 2020, que permite o uso dos recursos do salário-educação para o pagamento...

    Cerrado ganha comitê de acompanhamento de preservação

    Atento à preservação ambiental de um dos seus maiores patrimônios naturais, o Governo do Distrito Federal (GDF) começa a dar as diretrizes de um...

    PMDF apreende pássaros criados em cativeiro de forma irregular

    Policiais militares do Grupo Tático Ambiental (GTA) apreenderam cinco aves que não tinham autorização para serem criadas em cativeiro na tarde de hoje (5),...

    Presidente do TST defende licença parental

    A presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Cristina Peduzzi, é favorável à adoção no Brasil de licenças parentais, do pai e da mãe...

    Morre liderança indígena do Alto Xingu

    Morreu nesta quarta-feira (5), em Goiânia, o cacique Aritana Yawalapiti, uma das principais lideranças indígenas da região do Alto Xingu (MT). Aos 71 anos,...