As férias de verão são um momento especial para aproveitar ao lado da família, e isso inclui nossos amigos de quatro patas. Cleber Santos, CEO da Comport Pet e especialista em comportamento animal, compartilha dicas para garantir que suas férias com o pet sejam seguras e agradáveis, seja em casa, na praia, na piscina ou em viagens.

“Os animais não transpiram pela pele como os humanos e sim pelo focinho, coxim (a ‘almofadinha’ da pata), boca e barriga. Por isso, precisamos ter cuidados especiais. Alerta para animais de focinho curtos, que têm mais dificuldade de respiração”, explica Santos.

Alguns cuidados gerais, nessa época, devem ser diferentes do restante do ano. Para Santos, o cuidado com o calor é um fator que merece atenção redobrada nesse verão, dado que estamos enfrentando as piores ondas de calor em todo o planeta.

Para o especialista, os tutores devem se preparar para esse verão mais rigoroso, pois os pets vão sofrer mais do que o comum e mortes por calor vão aumentar cada vez mais.

“Pense em uma lista de cuidados e itens para seu animal de estimação. Escreva e leve na bolsa de viagem ou pregue na geladeira. Faça disso um hábito. É preciso investigar as necessidades deles, sair do senso comum e se atentar a detalhes que fazem total diferença para a segurança e o conforto deles”, destaca Cleber.

Algumas dicas para o calor extremo:

  • Proteção Solar: aplique protetor solar específico para pets em áreas sem pelos, como focinho, barriga e orelhas. A exposição ao Sol também afeta nossos animais e pode causar câncer de pele neles (sim, eles também são suscetíveis a isso). Importante: não passe protetor solar de humanos, existem opções específicas para que o animal possa lamber e não se intoxicar.
  • Cuidado na tosa: muitos tutores aproveitam as férias de verão para tosar seus pets a fim de “aliviar” a sensação térmica do bichinho, mas os pelos de cães e gatos são também são a sua proteção solar. Eles possuem pelagem “inteligente” que, de acordo com a época, pode se adaptar a diferentes temperaturas. Evite tosar em excesso seu animal, principalmente no calor.
  • Calor pode levar o pet ao óbito: jamais deixe seu pet em um local fechado como um carro ou quarto de hotel sem ar-condicionado e sem ventilação. O calor excessivo pode ocasionar a elevação da temperatura do corpo e a falência dos órgãos, o que pode ser fatal.
  • Água a cada 20 a 30 min: ofereça água fresca a cada 20 ou 30 minutos. Em dias de calor extremo, a desidratação pode ocorrer rapidamente, então tenha sempre dentro de casa (e nos passeios) potes e recipientes de água fresca espalhados pela casa ou na mochila, ou dê a eles cubinhos de gelo ou frutas congeladas para se refrescarem.
  • Dê banho com mais frequência: está liberado dar um banho por semana, pois isso refresca e alivia o calor do seu pet. Lave-o com água em temperatura ambiente e não deixe de secá-lo bem com um secador em temperatura média.
  • Alimentação diferente: Nessas condições quentes, os cães costumam se alimentar pior. Para o especialista, uma dica geral é investir em uma alimentação mais palatosa, fresca e úmida. As comidas naturais são sempre uma ótima opção para eles.

Se você vai curtir a praia ou a piscina com seu cão, se atente a essas outras dicas para aproveitar ao máximo essa época:

Cuidados na Praia:

  • Carteira de vacinação: no verão é mais comum a proliferação de parasitas, principalmente nas áreas de praia. Por isso, aplique o anti-pulgas recomendado por seu veterinário e tenha certeza que seu cão está com todas as vacinas em dia. Quando voltar de um passeio, verifique se o seu animal não pegou pulgas, carrapatos ou outros parasitas.
  • Calor pode queimar as patinhas: passeie na praia com o pet antes das 10h ou após as 17h, para evitar a maior incidência do Sol. A temperatura do solo pode queimar as patinhas, mesmo na areia da praia. Use a parte superior da mão para tocar o chão e sentir se não tem risco queimar as patinhas do seu pet.

Cuidados na Piscina:

  • Supervisão constante: mantenha sempre supervisão quando o pet estiver próximo à água. Não assuma que todos os pets são naturalmente bons nadadores, pois isso é algo relativo e pode levar a um afogamento.
  • Ensino gradual: introduza seu pet à água de maneira gradual, respeitando o ritmo dele. Comece nas áreas mais rasas e reforce sempre experiências positivas com elogios e petiscos.
  • Secagem para evitar problemas de pele: após o mergulho, seque bem seu pet para evitar problemas de pele, principalmente em raças que já apresentam predisposições a problemas de pele (é o caso dos Shih Tzus, Pugs, Yorkshires e Bulldogue Francês). Se possível, seque-os com o secador em temperatura média.

Seguindo essas dicas, você garantirá que as férias sejam especiais e seguras para toda a família, incluindo seu amigo de quatro patas.