25.3 C
Distrito Federal
13/07/2020 - 12:47 PM

As Quentes da Política do DF

Trocas de cadeiras no GDF O governador esquentou a caneta azul na tarde de ontem. Devolveu o DF-Legal para o PP de Celina Leão e...
More
    - PUBLICIDADE -

    As mulheres na política

    - PUBLICIDADE -



    A tão propagada igualdade de gênero nos empregos, na sociedade e na política, é fácil de acontecer no discurso, mas difícil de ser realizada na prática. As tentativas de retrocesso são maiores que os avanços conquistados a duras penas.

    No Brasil, após o escândalo das “laranjas” nas candidaturas de partidos, especialmente o PSL, legenda que do presidente Jair Bolsonaro, felizmente, ontem, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado rejeitou o projeto que buscava acabar com o porcentual mínimo de candidaturas femininas exigido aos partidos políticos nas eleições.

    A proposta havia sido apresentada pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA) com o argumento de que a exigência provoca o surgimento de candidaturas “laranjas” apenas para cumprir a legislação.

    É bom lembrar que o desvio de recursos públicos que abastecem o Fundo Partidário, ao qual os partidos têm acesso para financiar as campanhas eleitorais, só veio a público porque as candidatas usadas como massa de manobra pelas velhas raposas da política – leia-se os candidatos homens – tiveram a coragem de denunciar as falcatruas.

    Com a rejeição na CCJ, o projeto será arquivado se não houver recursos contra a votação. O relator da matéria no colegiado, Fabiano Contarato (REDE-ES), entendeu que a proposta tinha uma intenção positiva em combater candidaturas de fachada, mas que o Congresso não pode acabar com aquilo que ele considera como uma conquista das mulheres na participação eleitoral.

    A legislação eleitoral determina que cada partido ou coligação preencha o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo. Como a maioria dos candidatos que se apresentam em cada eleição é composta por homens, as legendas ficam obrigadas a garantir que 30% das vagas sejam para mulheres.

    Em vez de aproveitar esse espaço aberto na legislação para tornar a política mais igualitária do ponto de vista de gênero, alguns partidos viram nisso uma brecha para criar mais um ralo do dinheiro público.

    Fonte:DCI

    Comentários

    - PUBLICIDADE -

    Notícias Relacionadas

    - PUBLICIDADE -

    Últimas Notícias

    Começam as obras do desvio de trânsito na ESPM

      Já estão em andamento as obras de construção do desvio de trânsito na altura do quartel do Corpo de Bombeiros, na Estrada Setor Policial...

    Argentina supera 100 mil casos confirmados da covid-19

    A Argentina ultrapassou 100 mil casos de novas infecções por coronavírus no domingo (12) enquanto luta para conter taxas crescentes no país, apesar de...

    GDF lança licitação para obras de infraestrutura em Vicente Pires

    Invetimento prevê a execução de 228,9 mil metros quadrados de pavimentação, 10,6 mil metros de drenagem e 69,5 mil metros quadrados de calçadas em...

    Conheça os 500 contemplados pelo Prêmio FAC

    Os realizadores de cultura do Distrito Federal já têm motivo para comemorar. A Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) traz nesta segunda-feira (13),...

    Ferramenta permite visualizar casos de covid-19 por CEP no Rio

    Com a ideia de ajudar no combate à pandemia de covid-19 com informação georreferenciada, foi colocado no ar na semana passada a ferramenta Covid...