20.2 C
Distrito Federal
sábado, 30 maio, 2020

As Quentes da Política do DF

Inquéritos das Fake News Oito deputados ligados ao presidente Bolsonaro são alvo da operação da Polícia Federal que investiga Fake News na internet contra os...
More

    Sesc-DF cria máscaras em impressora 3D para proteger profissionais de saúde

    - PUBLICIDADE -


    A pandemia do novo coronavírus chegou ao Distrito Federal no início deste mês e no meio de incertezas, soluções criativas vieram junto. Em decorrência da falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), a área de educação do Sesc-DF se mobilizou e começou a produzir máscaras com a ajuda de impressoras 3D que fazem parte dos Espaços Makers. A produção começou na última sexta-feira (27), na unidade de Taguatinga Norte, e foi aprovada e validada pela Secretaria de Saúde do DF.
    A coordenadora de Educação do Sesc-DF, Amanda Lopes, explica sobre o projeto. “Começou por conta de um movimento de confecção de máscaras 3D para proteger os profissionais de saúde. Percebemos que temos instrumentos para fazer também por meio das impressoras. Portanto, reunimos todas as máquinas na unidade de Taguatinga Norte e começamos a produzir para doar para a Secretaria de Saúde. Estamos apoiando esse movimento. Essa semana vamos conseguir avançar bastante e estamos adquirindo mais insumos”, adiantou.
    Segundo o secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo Filho, essa contribuição será muito bem-vinda nos hospitais. “Toda e qualquer doação é válida, não importa o valor nem a quantidade. Estamos atravessando uma situação de desabastecimento no mundo inteiro no que diz respeito a insumos e equipamentos específicos para o combate ao coronavírus. Essa ação do Sesc é muito importante para a saúde do DF”, agradeceu.

    Quem fez os primeiros testes e está à frente na linha de produção é o coordenador Pedagógico da Sala de Ciências do Sesc Taguatinga Sul, Diogo Bacellar. Ele conta como tem sido a produção com o apoio do técnico da informática da unidade de Taguatinga Norte, Cledson Quintão. “Estamos com três máquinas ativas, duas delas produzindo em 48 minutos e a terceira em 2h. Para a confecção, utilizamos plástico biodegradável, acetado e liga elástica. O intuito é poder minimizar a problemática da falta de EPIs e como temos recursos é fundamental podermos contribuir de alguma forma”, afirmou Diogo.

    Comentários

    - PUBLICIDADE -

    Notícias Relacionadas

    - PUBLICIDADE -

    Últimas Notícias

    Após cancelamento de maratona, corredor propõe “desafio solidário”

    A pandemia da covid-19 forçou o adiamento da Maratona de Porto Alegre, que seria neste domingo (31), para novembro. Mas, pelo menos um corredor...

    Atendimento da dengue no HRG vai para UBSs da região

    Região de Saúde Sul já conta com o reforço de 52 novos profissionais de saúde | Foto: Breno Esaki / Secretaria de Saúde Devido à...

    PMDF intensifica policiamento de trânsito pelo Distrito Federal

    A PMDF por meio Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTran) fiscalizou a área do Paranoa, Itapõa e área central de Brasília, das 7h às...

    Acordo prevê no máximo 20 dias para análise de auxílio emergencial

    Um acordo judicial assinado na quinta-feira (28) estabeleceu o prazo máximo de 20 dias corridos para a análise de pedidos de auxílio emergencial em...

    Metade do cronograma de melhorias da pavimentação do BRT-Sul já foi concluída

    Piso da faixa exclusiva do BRT Sul ganha novo material, mais resistente e adequado para esse tipo de veículo | Foto: DER/DF / Divulgação Aproximadamente 600...