20.2 C
Distrito Federal
domingo, 31 maio, 2020

As Quentes da Política do DF

Inquéritos das Fake News Oito deputados ligados ao presidente Bolsonaro são alvo da operação da Polícia Federal que investiga Fake News na internet contra os...
More

    Michel Temer rejeita censura na internet; reforma política é sancionada parcialmente

    Com a publicação em edição extra do Diário Oficial da União, novas regras passam a valer a partir das próximas eleições

    - PUBLICIDADE -



    O presidente da República, Michel Temer, sancionou parcialmente, na noite desta sexta-feira (6), duas propostas que tratam da reforma política e promovem alterações ao processo eleitoral. Com a assinatura, as mudanças já passam a valer para as próximas eleições, já que foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União.

    Artigo que provocou polêmica após a aprovação, a possibilidade de censura na internet foi rejeitada pelo presidente da República. No projeto de lei 8.612/17, da Câmara dos Deputados, estava prevista a possibilidade de provedores de internet retirarem do ar em até 24 horas, sem decisão judicial, postagens críticas a políticos.

    Em uma das propostas, o presidente da República vetou um trecho que previa como será distribuída a verba para o fundo público para campanhas. Pela justificativa, a rejeição ao artigo, que estava no Projeto de Lei 8.703, de 2017, do Senado, tem como objetivo evitar a distorção dos “objetivos maiores do Fundo, preservando-se a proporcionalidade dentre os partidos”.

    Validade

    De acordo com o artigo 16 da Constituição Federal, uma lei que alterar o processo eleitoral precisa ser sancionada com pelo menos um ano de antecedência para valer nas próximas eleições. Como as propostas foram aprovadas nesta semana pelo Congresso Nacional, hoje era o último dia para o presidente da República se manifestar e as mudanças entrarem em vigor para 2018.

    Uma das novidades é quanto à propaganda eleitoral no rádio e na TV, que será mais curta no segundo turno: começará na sexta-feira seguinte ao resultado do primeiro turno e será transmitida em dois blocos de dez minutos. Com a proibição de doações de empresas para campanhas, o projeto, agora lei, permite a realização de financiamentos coletivos para arrecadação de fundos.

    Fonte: Planalto

    Comentários

    - PUBLICIDADE -

    Notícias Relacionadas

    - PUBLICIDADE -

    Últimas Notícias

    Acesso à internet é exclusivo no celular para 59% no Brasil

    A pesquisa TIC Domicílios apontou que 58% dos brasileiros acessavam a internet em 2019 exclusivamente pelo telefone celular. O estudo indicou que a conexão...

    Riacho Fundo tapa 282 buracos em uma semana

    Ações de pavimentação são constantes em Riacho Fundo, enfatiza administradora Ana Lúcia Melo | Foto: João Rodrigues / AR Riacho Fundo Com o apoio da...

    Liga de Futebol autoriza treinos no Equador a partir de 8 de junho

    No mesmo dia em que o Emelec revelou que oito profissionais haviam testado positivo para o novo coronavírus (covid-19), a Liga Profissional de Futebol do...

    Taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19 no Rio é de 91%

    A taxa de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) para covid-19, na rede do Serviço Único de Saúde (SUS), no município...

    Bolsonaro vai a manifestação de apoiadores em Brasília 

    O presidente Jair Bolsonaro participou mais uma vez, neste domingo (31), de uma manifestação de apoiadores do seu governo no centro de Brasília. Os...